Uma inspiradora história de superação e propósito de vida

Facebook
Twitter
LinkedIn

“Finalmente o tão sonhado e suado diploma de Mestre em Distúrbios do Desenvolvimento pela Universidade Presbiteriana Mackenzie chegou”, anuncia Thiago Pereira, Mestre em Distúrbios do Desenvolvimento pelo Mackenzie, pós-graduação em Neurociência, em Docência do Ensino Superior e em Deficiência Intelectual, graduado em Pedagogia e Geografia. É servidor público da Prefeitura Municipal de São Paulo, onde atua na área técnica da Divisão de Educação Especial (DIEE) da Secretária Municipal de Educação (SME). Ele também é consultor em diversidade e inclusão e professor do ensino superior, em cursos de pós-graduação em Atendimento Educacional Especializado (AEE), Transtorno do Espectro do Autismo (TEA) e Deficiência Intelectual (DI). O especialista é também profundo pesquisador nas áreas de Desenho Universal para a Aprendizagem (DUA), Neurociência e TEA. A sua fala de abertura desta matéria pode parecer algo ‘normal e corriqueiro’ de um profissional trilhando sua carreira, mas, no caso de Thiago, vai além – muito além disso!

Foto do Thiago em um quarto de hospital, vestindo um avental de paciente, de pé apoiado em um andador.

Por trás dos títulos, cargos e diplomas conquistados, há uma história de superação inimaginável, que a grande maioria de seus alunos e de pessoas com quem conversa desconhece: o especialista enfrentou dois AVC’s (acidente vascular cerebral) seguidos, além de diversas outras complicações de saúde, como tornar-se praticamente cego devido ao ceratocone em ambos os olhos: “Tive que reaprender a andar, a falar, tive a memória afetada, tive que fazer uma cirurgia cardíaca de emergência e colocar duas próteses de amplatzer no coração, próteses nos dois olhos (implante de anel intraestromal), uma cirurgia bariátrica (bypass) para tentar sobreviver e até recebi o sacramento da Extrema-Unção. Os médicos queriam me aposentar e afirmavam que algumas sequelas eram irreversíveis e que eu não conseguiria voltar a ter as competências de antes”, diz Thiago, que se emociona ao relembrar toda a caminhada que teve que passar para chegar até hoje: “Tudo aquilo que eles sentenciaram como algo que eu não iria mais conseguir fazer, hoje eu faço, inclusive enxergar! Não foi fácil, pelo contrário, mas sou prova viva de como é incrível a plasticidade cerebral, que o cérebro se regenera e que os neurônios e as sinapses são capazes de coisas inimagináveis”, destaca o especialista, que complementa: “Minha história de vida mostra que não existem limitações quando acreditamos em nós mesmos. Por isso, nunca aceitei os limites que a sociedade tentou impor pra mim”.

Ele passou por reabilitação durante dois anos e, ao longo desse período, sentiu na pele as questões capacitistas que pessoas com deficiência costumam enfrentar, como a da invisibilidade: “Quando estava praticamente cego, o médico não perguntava diretamente para mim, mas para minha mãe que me acompanhava nas consultas”. Foi então que passou a se dedicar à sua reabilitação e a estudar sobre a  Neuroplasticidade, a Educação Inclusiva e o DUA (Desenho Universal para a Aprendizagem), descobrindo, assim, a sua paixão e missão de vida: ajudar os professores na inclusão escolar, com o olhar sempre voltado à capacidade de todos em relação à aprendizagem ao considerar o potencial do cérebro humano.

Para conseguir trazer essa consciência à área da Educação – de que todo cérebro humano é capaz de aprender -, Thiago passou a dedicar-se integralmente aos estudos do DUA (Desenho Universal para a Aprendizagem), abordagem que considera que o processo de aprendizagem deve atender todas as pessoas (com deficiência ou não), sem deixar ninguém para trás.

Assim, o especialista caminhou também para o Mestrado em Distúrbios do Desenvolvimento na Universidade Presbiteriana Mackenzie (único programa de mestrado e doutorado nessa área com a nota 7 – a máxima da CAPES -, que corresponde ao conceito de excelência nacional com inserção internacional). Sua dissertação foi uma pesquisa inédita sobre o mapeamento dos estudantes público-alvo da Educação Especial da Rede Municipal de Ensino de São Paulo, com ênfase aos alunos com TEA (Transtorno do Espectro do Autismo), com o tema: “Política Paulistana de Educação Especial: análise dos estudantes com TEA matriculados nas classes regulares da Educação Infantil e do Ensino Fundamental”. (A dissertação do especialista está disponível no link: https://dspace.mackenzie.br/handle/10899/30654. Acesse!)

Em sua atuação na Secretaria Municipal de Educação de São Paulo, o especialista faz parte da Comissão e Grupo de Trabalho Intersecretarial da Rede TEA. Participou ativamente da escrita do Decreto da Lei Municipal nº 17.502/2020, que institui a Rede Municipal de Atenção e Promoção de Direitos das Pessoas com Transtorno do Espectro do Autismo (TEA) e seus familiares. Trata-se de uma Portaria conjunta entre Secretaria Municipal da Pessoa com Deficiência (SMPED), Secretaria Municipal da Saúde (SMS), Secretaria Municipal da Assistência e Desenvolvimento Social (SMADS) e Secretaria Municipal de Educação (SME) para a construção de políticas públicas inclusivas e para a promoção e garantia dos direitos das pessoas com transtorno do espectro do autismo.

Thiago foi ainda pioneiro ao desenvolver para professores da Rede Municipal de Ensino, em 2019, uma formação em DUA (Desenho Universal para Aprendizagem), com o pioneirismo de conferir à capacitação o viés da neurociência e da teoria das inteligências múltiplas (desenvolvida a partir da década de 1980 por uma equipe de investigadores da Universidade de Harvard, liderada pelo psicólogo Howard Gardner), que buscava analisar e descrever melhor o conceito de inteligência. Passou ainda a ser convidado para ministrar diversas palestras em mesas nacionais e internacionais, congressos e eventos sobre Educação Inclusiva, diversidade, inclusão, neurociência, Desenho Universal para a Aprendizagem, Transtorno do Espectro do Autismo, Deficiência Intelectual – DI; Educação Especial; Atendimento Educacional Especializado; e também sobre capacitismo. Algumas das  instituições que tiveram a honra de contar com suas apresentações foram: UNESCO, Ministério Público, Defensoria Pública, Mackenzie, UNESP, UNIFESP, UnB, UFS, IPq: Instituto de Psiquiatria do Hospital das Clínicas, Colóquio Internacional de Educação e Contemporaneidade – EDUCON, entre outros.

Foto do Thiago em um púlpito do Ministério Público, com um microfone nas mãos

O especialista é ainda um dos autores do livro “Reflexões e Inovações Nacionais no Século XXI em Pedagogia e Educação”, uma coletânea de artigos científicos acadêmicos multidisciplinares da área da Pedagogia e Educação, com capítulos compostos por diversos autores de todo o Brasil, organizado e publicado pelo Instituto Scientia em 2022. Thiago escreveu o capítulo 2: “Desenho Universal para a aprendizagem como prática pedagógica inclusiva na Rede Municipal de São Paulo”, tendo a sua orientadora do Mestrado, a Profa. Dra. Maria Eloísa Famá D’antino, como coautora. Os links do seu capítulo 2 e da obra completa podem ser acessados abaixo. Segundo ele, o livro está disponibilizado na internet de forma gratuita, em prol da democratização da ciência.

Acesse a obra  “Reflexões e Inovações Nacionais no Século XXI em Pedagogia e Educação”, disponível no link:  www.institutoscientia.com/catalogo/pedagogia-1

A contribuição do especialista, por meio do artigo científico que compõe o Capítulo 2, pode ser acessada no link abaixo. Confira! https://institutoscientia.com/wp-content/uploads/2022/05/capitulo-pedagogia-2.pdf.

Com brilho no olhar, perceptível ao falar do seu amor pela profissão e de que forma pode contribuir ainda mais para a construção de um mundo inclusivo, o especialista inspira ainda não apenas pela sua história de superação, mas também por sua espiritualidade, que o faz ressaltar sempre a sua gratidão por todas as adversidades pelas quais passou. “Às vezes penso que já era para ter terminado o doutorado, se não fosse todas as barreiras que tive que transpor, aí fico um pouco triste, mas logo passa, pois Deus na sua plenitude e benevolência sabe de todas as coisas e nunca me desamparou. E hoje, depois de todo esse percurso, posso afirmar que amo o que faço e que sou grato a Deus por tudo que passei, nunca me revoltei com Ele. Além de atuar na área técnica da Educação Especial e Inclusiva na Prefeitura de São Paulo, leciono no ensino superior em cursos de pós-graduação em AEE, DI e TEA e presto consultoria em diversidade e inclusão. Deus foi muito generoso comigo e eu tento retribuir ao próximo todo esse amor e cuidado que recebo do Pai Celestial. Gosto muito de uma oração de Santa Tereza D’Ávila, citarei um trecho dela que me define: ‘… Quem a Deus tem, mesmo que passe por momentos difíceis; sendo Deus o seu tesouro, nada lhe falta. SÓ DEUS BASTA! (Santa Tereza D’Ávila)’”.

Foto do Thiago com camiseta azul e bermuda xadrez, usando bengala, em frente a uma placa do Frei Galvão

Thiago, ressalta ainda que a Inclusão tem pressa e não pode esperar. Ele faz questão de citar o ativista de direitos das pessoas com deficiência, Tom Shakespeare, que, em sua palestra “Entendendo a Deficiência”, registrou o seguinte posicionamento perante a Conferência Internacional “Deficiência com Atitude”, realizada na University of Western Sydney, Austrália, em fevereiro de 2001: “Reconhecer a perícia e a autoridade das pessoas com deficiência é muito importante. O movimento das pessoas com deficiência se resume em falar por nós mesmos. Ele trata de como é ser uma pessoa com deficiência. Ele trata de como é ter este ou aquele tipo de deficiência. Ele trata de exigir que sejamos respeitados como os verdadeiros peritos a respeito de deficiências. Ele se resume no lema ‘Nada Sobre Nós, Sem Nós’. “Também tornou-se lema da Convenção Internacional sobre os Direitos das Pessoas com Deficiência da Organização das Nações Unidas (ONU/2006) e utilizado com muita honra até hoje por todos nós que lutamos por essa valorosa causa: ‘Nada sobre nós, sem nós.’”, destaca.

O especialista enfatiza ainda que é preciso que a sociedade mude o olhar sobre a inclusão: “Eu costumo dizer que diversidade é convidar para a festa; inclusão é tirar para dançar e subir no palco, é ser protagonista. Gosto muito da frase da médica psiquiatra Dra. Nise da Silveira, que diz: ‘O que melhora o atendimento é o contato afetivo de uma pessoa com outra. O que cura é a alegria, o que cura é a falta de preconceito.’ e também gostaria de deixar uma mensagem do Paulo Freire a todas as pessoas que estão passando por alguma dificuldade: ⁠’É preciso ter esperança, mas ter esperança do verbo esperançar; porque tem gente que tem esperança do verbo esperar. E esperança do verbo esperar não é esperança, é espera. Esperançar é se levantar, esperançar é ir atrás, esperançar é construir, esperançar é não desistir! Esperançar é levar adiante, esperançar é juntar-se com outros para fazer de outro modo…”.

Além de profissional da área, defensor da diversidade e de uma escola inclusiva para todos, sem exceção, Thiago é ativista dos direitos das pessoas com deficiência. Também é adepto e pesquisador do modelo biopsicossocial da deficiência: “Minha bandeira é a construção de uma sociedade inclusiva e equânime para todos, sem deixar ninguém para trás”.

Fundo roxo com informações sobre o curso Uma Escola  para Todos

O especialista ministrará a capacitação “Uma escola para todos: os desafios e as possibilidades na construção de práticas inclusivas”, juntamente com a psicóloga Luiza Siqueira, que atua em escolas particulares, com foco em práticas escolares inclusivas, educação na diversidade e DUA (Desenho Universal para Aprendizagem). Será nos dias 5, 12 e 19 de abril, pela plataforma Zoom, das 19h às 22h, e é voltada aos professores, coordenadores pedagógicos e equipe gestora. Serão abordados os temas: “O currículo e os princípios em ação, o planejamento inclusivo – desafios e possibilidades; um olhar sob os novos contextos”. Os interessados podem se inscrever pelo link: https://docs.google.com/forms/d/e/1FAIpQLSef0cFCekGfonWb4T4hfSeCgb-Gc3MyrboqHy_5rFeR9jMxhg/viewform

Seguem os contatos do especialista:
Prof. Me. Thiago Pereira
Instagram: @thiagop.30
Email: prof.thiago@yahoo.com

Posts Relacionados

Foto de uma sala de aula, com 5 alunos sentados em frente a computadores. Em primeiro plano uma garotinha loira com síndrome de Down.

Como tornar a sala de aula mais inclusiva

dicas e orientações de dois profissionais que atuam na inclusão escolar: Leandro Rodrigues (@/institutoitard/), pós-graduado em Educação, Diversidade e Inclusão Social, fundador do Instituto Itard e especialista em adaptação de atividades para alunos com deficiência; e Rayssa Béder (@rayssabeder/), Terapeuta Ocupacional, especialista em contexto escolar.

Leia mais »

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *