Programa Livros Acessíveis possibilita que crianças e jovens com deficiência possam mergulhar no mundo da leitura

Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no google
Google+
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no linkedin
LinkedIn
Criança sentada no sofá, com um fone de ouvido, vendo livro acessivel em um tablet

Proporcionar o acesso de pessoas com deficiência ao mundo da literatura é o objetivo do programa Livros Acessíveis, iniciativa da Secretaria de Estado dos Direitos da Pessoa com Deficiência (SEDPcD), em parceria com o Centro de Tecnologia e Inovação (CTI) e a ONG Mais Diferenças.

“Este programa envolve o desenvolvimento e produção de livros em múltiplos formatos acessíveis (narração, descrição das imagens, janela de Libras, Leitura Fácil), mapas de leitura, oficinas de formação e mediações de leitura acessíveis e inclusivas. Além disso, os livros são destinados aos públicos infantil e infantojuvenil, uma vez que definiu-se como prioridade fortalecer e contribuir com a formação de leitores e as políticas de educação inclusiva, a equiparação de oportunidades e a oferta de materiais pedagógicos acessíveis e inclusivos. Os títulos são selecionados por uma comissão intersecretarial (incluindo as Secretarias de Estado dos Direitos da Pessoa com Deficiência e Educação e a ONG Mais Diferenças), a partir de alguns critérios pré-estabelecidos, tais como: fazer parte de programas públicos de distribuição gratuita de livros para escolas e bibliotecas públicas; estar alinhados com as pautas de direitos humanos e valorização da diversidade; existência de reconhecimentos (prêmios literários); entre outros”, explica a Secretária de Estado dos Direitos da Pessoa com Deficiência, Célia Leão. 

Atualmente o programa dispõe de 13 obras, como “Um sonho no caroço do abacate”, de Moacyr Scliar, “Kafka e a boneca viajante”, de Jordi Sierra I Fabra, “O Menino Azul”, de Cecília Meireles, “Serei Sereia?”, de Kely de Castro, “O Menino no Espelho”, de Fernando Sabino, entre outros.

De acordo com Célia, a comissão está aberta a receber sugestões de títulos que o público infanto-juvenil queira que se tornem acessíveis por meio do programa e cada título deverá passar por uma avaliação, que levará em conta também a aprovação de cada editora. As sugestões podem ser enviadas para o e-mail ouvidoria.sdpd@sp.gov.br  

As obras devem ser acessadas pelo site: https://www.pessoacomdeficiencia.sp.gov.br/livros-acessiveis/ , que conta com todos os recursos de acessibilidade, como audiodescrição e audiolivro. 

A iniciativa compreende ainda a realização de oficinas de formação e sensibilização de profissionais da educação, cultura, assistência social, bibliotecários, mediadores de leitura, além dos profissionais interessados nas práticas acessíveis e inclusivas voltadas ao contato com livros.

Posts Relacionados

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *