Por que o treinamento é tão importante para aprender punção venosa

Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no google
Google+
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no linkedin
LinkedIn
paciente em cama hospitalar com punção venosa recebendo medicamento


O uso de cateter venoso central de inserção periférica (PICC), mais comumente chamado de linha intravenosa periférica, não é um conceito novo, visto que eles foram inicialmente experimentados no início dos anos 1600. Algumas das primeiras publicações relacionadas ao acesso intravenoso ocorreram durante a epidemia de cólera da década de 1830, quando a solução salina foi usada em pacientes terminais.

No entanto, o uso rotineiro de linhas intravenosas não ocorreu até que fossem usadas para ajudar a cuidar de soldados feridos na Primeira Guerra Mundial1. Hoje, 90% de todos os pacientes hospitalizados recebem uma intravenosa e estima-se que mais de 1 bilhão de linhas sejam colocadas globalmente todos os anos2,3. Geralmente, as intravenosas periféricas são colocadas na extremidade superior não dominante para permitir a administração de fluidos para hidratação, medicamentos e transfusões de sangue. Mas a colocação nem sempre é fácil, pois “identificar os locais de acesso pode ser mais difícil em populações específicas de pacientes, como crianças, obesos, mulheres grávidas, pessoas com pele escura, pacientes em choque ou aqueles cujas veias foram comprometidas por quimioterapia ou por abuso de drogas intravenosas”.4

Enquanto os enfermeiros tendem a ser os principais profissionais a inserir cateteres intravenosos, muitos outros profissionais de saúde recebem treinamento para inserção de PICC a cada ano. Mas, muitos alunos não têm a oportunidade de inserir um intravenoso durante o treinamento. Em uma pesquisa com estudantes de medicina do terceiro e quarto ano, 65% do terceiro e 22% dos estudantes de medicina do quarto ano “nunca tiveram a oportunidade de inserir um intravenoso”.5

Mesmo com o enorme número de procedimentos realizados a cada ano, “as taxas de falha de PICC e reinserções não programadas são inaceitavelmente altas, com taxas que variam de 33% a 69%”. Embora essas reinserções usem recursos valiosos de tempo e equipamento, o custo para os pacientes costuma ser esquecido. “As reinserções de PICC podem ser dolorosas e angustiantes, com frequentes tentativas de canulação afetando adversamente a experiência geral da pessoa no hospital”. 6 Em uma pesquisa internacional com pacientes adultos que receberam mais de uma inserção de PICC nos últimos cinco anos, o fator determinante para uma inserção bem sucedida do PICC foi uma equipe bem treinada. Quando perguntados sobre sua experiência em terapia IV, as principais respostas foram relacionadas à “importância do treinamento e competência da equipe”, incluindo inserção orientada por tecnologia, competência de inserção igual entre os membros da equipe e segurança e conforto para o paciente.6

Ao considerar o currículo relacionado à inserção intravenosa, a popularidade da simulação cresceu nos últimos anos como um meio de melhorar a competência e a confiança na habilidade. De acordo com a enfermeira Key, “aprender a inserir cateteres intravenosos (IV) é possivelmente a habilidade que os alunos mais esperam adquirir durante sua formação em enfermagem”.7 Embora não seja mais aceitável que os alunos pratiquem uns nos outros, “ainda é necessário ensinar aos alunos a técnica adequada de inserção IV e permitir que eles se familiarizem e aprendam a manipular equipamentos e suprimentos IV por meio do uso de vídeos e braços de manequim”.7

Para saber mais sobre a nossa linha de braços para treinamento em punção venosa, contate a nossa equipe.

Referências:
1:  Rivera, A. M., et al., The history of peripheral intravenous catheters: How little plastic tubes revolutionized medicine. Acta Anaethesiologica Belgica. 2005, 56(3): 271-282.
2: Helm, R. E., et al., Accepted but Unacceptable:  Peripheral IV Catheter Failure. Journal of Infusion Nursing. 2015; 38(3): 189-203.
3: Alexandrou, E., et al., International Prevalence of the Use of Peripheral Intravenous Catheters. Journal of Hospital Medicine. 2015; 10(8): 530-533.
4: Lamperti M, Pittiruti M. II. Difficult peripheral veins: turn on the lights. Br J Anaesth. 2013 Jun;110(6):888-91.
5: Woelfel, Ingrid, Takabe, Kazuaki. Successful intravenous catheterization by medical students. J Surg Res. 2016 Aug; 204(2): 351–360.
6: Cooke, Marie et al. Not “just” an intravenous line: Consumer perspectives on peripheral intravenous cannulation (PIVC). 2018; 13(2): e0193436.
7: Krolikowski, Shannon. IV Simulation Curriculum Development; Nurse Key.

Posts Relacionados

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *