Paciente virtual Body Interact através do olhar de educadores de enfermagem

Share on facebook
Facebook
Share on google
Google+
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn

Fonte: Blog Body Interact

estudantes de enfermagem com Body Interact


Na 5ª edição da Conferência Europeia da SIGMA, o Body Interact promoveu um webinar com quatro educadores internacionais de enfermagem, que foram convidados a compartilhar suas opiniões e experiências no uso de pacientes virtuais. Dividimos esta matéria em duas partes: nesta primeira parte Lorraine Betts (Canadá) e Leila Sales (Portugal), e na segunda parte Miguel Padilha (Portugal) e Sofia Macedo (Arábia Saudita).

Após uma breve introdução sobre o Body Interact, o CEO do Take the Wind*, Pedro Pinto, desafiou o público com algumas perguntas e os participantes foram convidados a procurar as respostas durante a apresentação dos palestrantes.

Como nós podemos?..

  • Abordar uma nova didática, mais digital?
  • Envolver-se com os alunos?
  • Aproveitar as novas tecnologias?
  • Tornar o aprendizado mais emocional?

* Take the Wind é a empresa que criou o Body Interact, o simulador virtual de pacientes.

Pausa! É hora de discutir decisões clínicas em um ambiente de aprendizado controlado


Lorraine Betts, nossa primeira palestrante, usa o Body Interact desde 2016

Lorraine ensina na Escola de Enfermagem Sally Horsfall Eaton na George Brown College, no Canadá.

Antes dessa pandemia, Lorraine costumava dividir suas aulas em grupos de seis. Os alunos se reuniam em volta da mesa Body Interact e eram designados para uma tarefa diferente. Dependendo do nível de conhecimento, ela selecionava os cenários clínicos mais adequados ao grau de dificuldade do grupo.

Os alunos restantes ficavam na parte de trás, prestando atenção ao desempenho e às decisões de seus colegas. Ao projetar a tela na parede, Lorraine deixava todos os alunos envolvidos, trabalhando e interagindo.

Para entender como os alunos se envolveriam com o simulador, antes de introduzí-lo no currículo da universidade, o George Brown College desenvolveu um estudo de pesquisa. Verificou-se que “era muito fácil de usar. Muito realista. Na verdade, eles sentiram que poderiam visualizar melhor as coisas”, explicou o educador de enfermagem.

Além disso, em comparação com outros simuladores, os alunos mencionaram que era um componente essencial para o aprendizado.

Ao iniciar o desenvolvimento de aprendizado com o Body Interact, eles puderam treinar seu raciocínio clínico até dominá-lo e, depois, investir seu tempo no treinamento dos procedimentos clínicos em um simulador de paciente humano. No desenvolvimento de habilidades, os alunos sentiram mais confiança ao abordar pacientes reais no ambiente clínico real.


Leila Sales, uma das nossas palestrantes, é a educadora mais recente a usar Body Interact no webinar

Com a área de saúde cada dia mais complexa e exigente, pacientes e alunos mais informados, com interesses e ritmos de aprendizado diferentes, os educadores precisam encontrar novas ferramentas e estratégias que possam ajudá-los a fazer um trabalho melhor.

Para a coordenadora do curso de Enfermagem da Escola Superior de Saúde da Cruz Vermelha Portuguesa, como em um jogo sério, o Body Interact “traz realismo e inovação para a sala de aula”. Além disso, atrai os alunos, pois “os permite cometer erros e auto analisar suas competências e possibilita uma sessão de esclarecimento com o educador. Tudo sem prejudicar o paciente”.

Leila também destaca alguns benefícios importantes no uso do Simulador de Paciente Virtual.

Em termos gerais:

  • Melhora a retenção de atenção
  • Permite uma maneira mais simples de aprender
  • Cria raciocínio clínico, pensamento crítico e julgamento clínico
  • Melhora as habilidades de tomada de decisão
  • Promove autoconfiança, motivação para aprender e satisfação com o próprio desempenho

Na simulação em si, leva os alunos a construir um pensamento de estrutura. Isso os ajuda a:

  • Avaliar dados objetivos e subjetivos
  • Treinar as observações e a avaliação do exame físico
  • Gerenciar as medidas de segurança
  • Implementar as intervenções e
  • Estabelecer prioridades


Por que os alunos da Escola Superior de Saúde da Cruz Vermelha Portuguesa amam o Body Interact?

“O Body Interact é uma ótima ferramenta e permite o aprendizado de várias maneiras diferentes. Por um lado, ao pausar o cenário, dá-me tempo para refletir cuidadosamente sobre o caso ou até fazer alguma pesquisa sobre as diretrizes clínicas.
Por outro lado, também me permite praticar sob pressão, se eu decidir que não vou pausar o cenário”

Sara Reis, Estudante de Enfermagem do 4º ano

“Acho que é uma excelente ferramenta para praticar e melhorar o pensamento crítico e a tomada de decisões clínicas. Ouvir, por exemplo, os monitores e o som da dificuldade respiratória cria um impacto, emoções e nos faz sentir a pressão real. Assim como nos sentiríamos em uma situação da vida real”

Maria Ferreira, Estudante de Enfermagem do 4º ano

Aguarde a segunda parte com os educadores Miguel Padilha e  Sofia Macedo sobre “Como aproveitar o melhor da tecnologia para se envolver com os alunos e melhorar a segurança do paciente”.

Veja a segunda parte da matéria:

Posts Relacionados

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *