Conheça João Elyo, 12 anos, T21, artista plástico convidado a expor suas telas no Museu do Louvre em 2022

Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no google
Google+
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no linkedin
LinkedIn
João Elyo posa em frente aos seus quadros

João Elyo Araújo Castro, T21, tem 12 anos, é artista plástico desde os 9 anos de idade, além de ser autodidata e ambidestro. Com um talento fora do comum, suas telas pintadas no estilo expressionista abstrato e geométrico vêm ganhando tanto destaque nas redes sociais que chegaram ao conhecimento do Museu do Louvre, em Paris: ele foi convidado a expor suas pinturas no maior museu de arte do mundo em abril de 2022 e participará ainda, na ocasião, de um livro com a sua biografia publicada. 

“Desde muito bebê ele sempre gostou de cores fortes, até pela roupa que ele vestia e ele começou fazer as primeiras pinturas nos móveis e nos pisos. Quando levávamos em lojas de brinquedos, ao invés dele escolher brinquedo, ele escolhia tinta e lápis de cor. Na escola ele não queria fazer as atividades na hora, ele preferia pintar. Além disso, começamos a observar que a pintura tirava o estresse dele. Então a partir daí, começamos a notar que ele tinha um talento e passamos a comprar material profissional para estimulá-lo”, diz a mãe Elenilza Araújo, professora de Língua Portuguesa do Ensino Fundamental e de Linguística do Ensino Superior.

Ela complementa: “Deixávamos ele à vontade e assim ele começou a criar os seus primeiros trabalhos e o incentivamos a fazer a sua primeira exposição. Toda a família o incentivando, então quando ele começou a notar todo o nosso apoio em torno do seu talento, ele começou a ficar cada vez  mais criativo e a desenvolver suas técnicas com maior naturalidade, a inovar cada dia mais. E então, passamos a levá-lo em lojas especializadas de material profissional para ele mesmo pudesse escolher as tintas, que antes eram escolhidas por mim”, explica.

Porém, quem vê todo o apoio da família e o quanto hoje João Elyo vem sendo reconhecido por seu talento, não imagina o quanto o pequeno grande artista passou por situações capacitistas na escola, como ser colocado em sala separada, enquanto os demais alunos estavam em atividade ou não ser fotografado junto com os demais colegas em datas comemorativas. Além disso, segundo Elenilza, os seus esforços para que os professores estimulassem seu lado artístico na escola e adaptassem as atividades para que ele pudesse pintar também durante as aulas eram sempre em vão. “Em uma escola onde ele estudou por quatro anos, alguns professores reclamavam que ele não queria fazer as atividades e só queria pintar o tempo todo. Os cadernos e os livros dele eram todos pintados e riscados de cor, porque ele pintava tudo: capa do livro, as páginas, as capas dos cadernos. Ou seja, já estava começando sua arte, mas quando eu explicava para os professores sobre esse talento dele e que eu levaria material para ele ser estimulado em sala, desconversavam. E foi só mudarmos de escola que foi como se o João Elyo saísse de um quarto fechado e pudesse se libertar e, daí em diante, ele começou a pintar muito, sua criatividade realmente aflorou. Na nova escola ele foi bem recebido e hoje é muito incentivado pelos professores, que já conhecem seu talento”, conta Elenilza.

O artista mirim diz que as suas cores preferidas são amarelo, roxo e principalmente azul. Quando perguntamos o que ele sente quando está pintando e em relação ao reconhecimento do seu talento, ele responde em alto e bom tom: “Feliz!!”. Elenilza revela que tudo vira instrumento de trabalho para ele: “João Elyo usa peneira de cozinha, rolinho, às vezes pinta com as mãos. Depende do momento e da criatividade dele, mas ele está em um período que tem usado bastante pincel”. 

Museu do Louvre

O convite para expor no Museu do Louvre surgiu por meio da empresa Vivemos Artes, uma especializada no mercado nacional e internacional de artes, que promove anualmente exposições e artistas em todo o mundo, com foco no desenvolvimento da carreira de talentos que desejam aumentar sua exposição e consequentemente resultar em vendas. De acordo com Elenilza, a assessora artística e diretora da Vivemos Artes, Lisandra Miguel, conheceu as telas do artista mirim por meio da sua conta no Instagram (@joao_elyo) e fez a seleção dos seus trabalhos para que ele possa participar de uma exposição no Museu do Louvre que está agendada para 2022. 

Para ajudar com os custos da viagem, a família, que é de Esperantina (PI), está vendendo as telas de João Elyo para que ele possa mostrar seu talento ao mundo. Quem tiver interesse em adquirir seus trabalhos (o artista também faz telas sob encomenda a partir das cores escolhidas pelo cliente), basta entrar em contato com Elenilza pelo Instagram @elenilzaarauj0 ou pelo telefone: (86) 9932-5212, que ela envia para todo o Brasil e também exterior.

Posts Relacionados

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *