Adaptação de atividades pedagógicas a crianças com deficiência

Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no google
Google+
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no linkedin
LinkedIn
criança realizando atividade adaptada a sua deficiencia.


É direito de toda criança ter acesso a atividades e conteúdos adaptados às suas condições físicas e cognitivas, sejam eles pedagógicos, esportivos, jogos recreativos, atividades de lazer, entre outros”, explica a Pedagoga com formação em Apoio Terapêutico e pós-graduação em Psicopedagogia e Neuropsicopedagogia, Caroline Monteiro*.

De acordo com a especialista, toda atividade é adaptável e as adaptações devem ser feitas mediante a necessidade de cada pessoa, respeitando a sua faixa etária e, principalmente, tendo em vista que estamos sempre em constante aprendizagem e que a educação deve ser inclusiva e para todos. No caso das pessoas com necessidades complexas de comunicação, a Pedagoga utiliza o controle ocular e a tecnologia assistiva: com o recurso de alta tecnologia Communicator 5, ela adapta o conteúdo utilizando a comunicação alternativa para produzir apresentações, recontar histórias e, em seguida, aplicar exercícios com perguntas sobre o que foi visto. “É uma ferramenta bastante flexível e, principalmente, inclusiva. Realizo atividades e faço adaptações das atividades pedagógicas na educação infantil. Com a tecnologia assistiva consigo trabalhar números, letras, quantidades, sequências. Ou seja, é possível que uma criança com deficiência esteja no mesmo nível das crianças da sua idade, desde que sejam adaptadas as atividades às suas necessidades e, assim, utilizadas estratégias que são super importantes para alavancar o seu processo de aprendizagem”, explica. 

Segundo a profissional, a maioria das crianças com deficiências aprende com mais facilidade utilizando materiais concretos e recursos sensoriais. “Por isso, vale ressaltar que o uso da tecnologia assistiva para o trabalho do psicopedagogo não irá substituí-lo, mas é um grande complemento, tendo em vista que atualmente o mundo em que vivemos está cada vez mais digital e as crianças apresentam grande facilidade com as tecnologias. Por isso, devemos utilizar várias ferramentas em uma mesma atividade, até mesmo como forma de trazer sempre novidades, motivando os alunos e pacientes e, assim, evitando que  fiquem entediados com os mesmos formatos”.

A especialista ressalta ainda que o acompanhamento da família para o crescimento da pessoa com deficiência é um dos grandes segredos para que a aprendizagem seja um sucesso. “Acompanhar esse processo pode ser muitas vezes trabalhoso, mas é importante. Neste período de pandemia, a casa se tornou o local onde as crianças passam mais tempo. Com as atividades todas de forma remota, o trabalho psicopedagogo, junto com a família, foi adaptado para que não fosse perdido tudo o que foi construído anteriormente de forma presencial. A dica às famílias é utilizar recursos que a criança já tem demonstrado facilidade e, a partir daí, ir diminuindo aos poucos o seu uso para poder introduzir modalidades e conteúdos novos. Uma boa estratégia é sempre explorar o universo da criança, como utilizar personagens de jogos, filmes e desenhos que ela gosta”, explica.

“Dessa forma, à medida que fomos iniciando o novo normal e retornando atendimentos presenciais de acordo com cada demanda específica, fomos fazendo as adaptações, mas mantendo o que deu certo durante o isolamento: com a ajuda da tecnologia assistiva já utilizada e adicionando novos recursos sensoriais. Assim, conseguimos melhorar ainda mais as adaptações, percebendo as melhorias do remoto e oportunizando para o presencial”, diz a especialista, que realiza atendimentos psicopedagógicos de forma on-line ou a domicílio na região do Recife e faz a construção de atividades e materiais adaptados. Os interessados podem entrar em contato por WhatsApp: (81) 99477-5813

*Caroline Monteiro é graduada em Pedagogia, Pós-Graduada em Psicopedagogia Clínica e Institucional e Neuropsicopedagogia, tem formação em Apoio Terapêutico. 
Atualmente atua com crianças com deficiência e dificuldades de aprendizagem, com o manuseio do controle ocular, Communicator 5 e acionadores.

Posts Relacionados

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *