A importância de diagnosticar adequadamente as fraturas do rádio distal

Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no google
Google+
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no linkedin
LinkedIn
médico examinando fratura no pulso

As fraturas do rádio distal são causadas, geralmente, por uma queda com as mãos estendidas, mas também podem ocorrer durante várias práticas de atividades esportivas. Em pessoas com mais de 60 anos, especialmente aquelas com osteoporose, esse tipo de fratura pode ocorre normalmente devido a uma queda na posição ortostática.1 “As fraturas da extremidade distal do rádio são lesões comuns, compreendendo 12% a 17% de todas as fraturas.”2

Um dos tipos mais frequentes de fratura do rádio distal foi explicado pela primeira vez em 1814 por um cirurgião irlandês chamado Abraham Colles. Neste tipo de fratura de “Colles”, a extremidade quebrada do osso do rádio se inclina para cima, conforme ilustrado nesta imagem:

ilustração de fratura do rádio distal

Segundo a American Academy of Orthopaedic Surgeons, “é importante classificar o tipo de fratura, porque algumas fraturas são mais difíceis de tratar do que outras. Outras maneiras de quebrar o rádio distal incluem:

• Fratura intra-articular: fratura que se estende até a articulação do punho.
• Fratura extra-articular: uma fratura que não se estende para a articulação é chamada de fratura extra-articular.
• Fratura exposta: quando um osso fraturado rompe a pele é chamado de fratura exposta. Esses tipos de fraturas requerem atenção médica imediata devido ao risco de infecção.
• Fratura cominutiva: quando um osso é quebrado em mais de duas partes é chamado de fratura cominutiva.”1

A maioria das pessoas sabe que há algo errado com seu pulso após uma queda, pois sentirá dor instantânea, sensibilidade; notará o surgimento de hematomas e inchaço, além de perceber que seu pulso está estranhamente em uma posição dobrada. Eles também podem sentir dormência nas mãos ou notar uma mudança de cor nos dedos. Depois de examinado, o médico pedirá radiografias para mostrar o grau de fratura do osso e para determinar qual tipo de tratamento será mais eficaz. Como acontece com qualquer fratura, os ossos devem ser realinhados e estabilizados para que possam cicatrizar. Com uma quebra simples, a solução do problema pode ser feita sem cirurgia, mas em casos mais extremos, a cirurgia pode ser necessária para definir o osso para a cura.1

Embora “o tratamento conservador de redução incruenta e gesso tenha sido historicamente a base do tratamento”3, os riscos de resultados insatisfatórios em longo prazo devem ser considerados. As principais complicações observadas incluem o seguinte:

Consolidação Viciosa: esta é a complicação mais comum que ocorre após uma fratura do rádio distal e acontece quando a fratura cicatriza sem o alinhamento adequado dos ossos, da articulação ou do comprimento incorreto dos ossos. Esse tipo de complicação pode ser observado em “35% dos pacientes tratados conservadoramente”.3

Síndrome de Dor Regional Complexa: dor que afeta a função do punho, bem como a da pele e músculos da área do punho; pode ser observada em tratamentos conservadores, onde há aumento da pressão sob o gesso, às vezes envolvendo os nervos.

Infecção: principalmente após o reparo cirúrgico, as infecções podem ser vistas em até 33% dos pacientes.3

Complicações do tendão: observados após o reparo cirúrgico, o tendão pode formar aderências, lacerar ou romper, geralmente ocorrendo em torno de 7 semanas após o reparo.3 As complicações de Consolidação Viciosa podem ser evitadas com diagnóstico e tratamento adequados. O diagnóstico inadequado aliado à falta de treinamento ou experiência na redução adequada da fratura pode levar à necessidade de correção cirúrgica, “um problema desafiador com resultados imprevisíveis. A prevenção da consolidação viciosa de uma fratura do rádio distal é o melhor curso de ação”.2

simulador de redução de fratura de Colles

A Civiam apresenta um novo produto focado no tratamento conservador da fratura de Colles. Projetado em colaboração com o Dr. Salwa Malik de Brighton e Sussex University Hospitals NHS Trust e o Dr. Yasir M. Shaukat de Surrey e Sussex Hospitals NHS Trust, o simulador de redução de fratura de Colles fornece aos estudantes uma plataforma para a prática consistente e repetitiva de redução manual de Colles (fechado) e técnicas de gesso.

Com sede no Reino Unido, o Dr. Shaukat e o Dr. Malik identificaram a necessidade de uma solução de treinamento que facilitasse o restabelecimento de fraturas na extremidade distal do rádio e também levasse em consideração a dor e a natureza desconfortável, associadas ao procedimento. Como é típico em um ambiente de emergência da vida real, o modelo permite que os estudantes realizem inspeção visual e identificação antes de facilitar a redução de fratura de Colles em equipe. Para aprendizagem avançada, um mecanismo de tensão ajustável aproveita a capacidade de simular procedimentos mais desafiadores, onde os ossos são mais difíceis de reposicionar e alinhar.

Acesse a página do produto ou entre em contato com nossa equipe aqui para saber mais.

Referencias:

1: American Academy of Orthopedic Surgeons: Distal Radius
2: Distal Radius Malunion
3: Management of Complications of Distal Radius Fractures

Posts Relacionados

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *