De educadores para educadores: uma nova didática com pacientes virtuais

Share on facebook
Facebook
Share on google
Google+
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
fonte: Blog Body Interact
estudantes treinando com paciente virtual


Mais do que saber, é importante entender. No IMSH 2020, que aconteceu de 18 a 22 de janeiro nos Estados Unidos, o Body Interact teve a chance de apresentar uma experiência do Learning Lab para mais de 100 participantes.

Uma sessão em que sete palestrantes internacionais foram convidados a discutir sua visão sobre como usar pacientes virtuais na educação clínica, compartilhar sua experiência com o Body Interact e apresentar este novo simulador virtual a educadores curiosos, inovadores e transformadores de todo o mundo. 

Curioso pensar que naquela ocasião não imaginávamos a situação mundial de pandemia que vivemos hoje e que a educação a distância ganharia tanto destaque em um mundo isolado socialmente, em que, do dia para a noite, as instituições de ensino tiveram que se adaptar ao meio virtual como única alternativa para continuar o programa escolar.

Com essa nova realidade, todos reconhecem que as ferramentas didáticas estão mudando, bem como a forma de ensino, sendo os pacientes virtuais uma solução totalmente viável, mais segura ao evitar contato com pacientes reais e, portanto, as contaminações por vírus.

IMSH 2020

Anthony LaPorta dos EUA, Ichiro Kaneko do Japão, MinFang Xiang da China e Zulfiya Zaripova da Rússia são quatro educadores médicos que usam o Body Interact e compartilharam, em nosso Learning Lab, suas ideias sobre como alunos e educadores podem usá-lo na prática, repetindo e aprendendo com os erros.

“Os alunos acreditam que o sistema está relacionado ao aprendizado futuro”

Nosso primeiro palestrante, Anthony LaPorta, da Rocky Vista University, compartilhou sua experiência com 42 estudantes de medicina militar em uma “semana de emergência”. Os alunos trabalharam em uma seleção de cenários do Body Interact, que variavam de condições agudas a crônicas e que correspondiam aos 50 tipos de pacientes que enfrentariam em seu treinamento de emergência.

Ao combinar o treinamento individual com a resolução de casos baseada em equipe, os alunos foram capazes de trabalhar efetivamente em suas habilidades de tomada de decisão e pensamento crítico.

Palestrante Anthony LaPorta
Palestrante Anthony LaPorta

De manhã, 98% dos alunos estavam acordados às 5:30 da manhã, passando pelos casos designados pelo professor para começar a trabalhar nas competências clínicas que explorariam naquele dia. À tarde, os alunos foram divididos em grupos de 5 ou 6 e uma tarefa diferente (incluindo a de líder de equipe) foi atribuída a cada pessoa, a fim de resolver um novo caso clínico como equipe.

Na opinião do professor cirurgião, as principais contribuições do Body Interact foram:

  • Desenvolver a capacidade de combinar os dados coletados durante a resolução do caso com o diagnóstico final;
  • Criar um entendimento das diferentes interações dos muitos funcionários envolvidos no atendimento de um paciente;
  • Preparar os alunos para uma melhor transição da sala de aula para o atendimento ao paciente na vida real.

[Aproveite a oportunidade para ler as pesquisas mais recentes da Rocky Vista University sobre como o simulador de paciente virtual contribui para o treinamento de estudantes de medicina]

Uma aula no Japão

No Japão, ‘solucionar problemas’ foi considerado em 2016 como uma das competências essenciais que precisavam ser desenvolvidas na faculdade de medicina. Ao usar o Body Interact, o Prof. Kaneko, da Teikyo University Medical School, um dos oradores do evento Learning Lab, entendeu como os pacientes virtuais podem ser a solução educacional usada para praticar essa habilidade vital.

Palestrante Ichiro Kaneko
Palestrante Ichiro Kaneko

Somente após duas lições de uma discussão baseada em casos com o Body Interact, as habilidades cognitivas dos alunos foram testadas, assim como a satisfação e confiança dos alunos também foram avaliadas.

O educador acredita que “a chave para o resultado obtido não foi apenas o simulador de paciente virtual, mas também uma análise cuidadosa e segura”. Além disso, para proporcionar aos alunos uma experiência de aprendizado completa e ajudá-los a consolidar seus conhecimentos, o Prof. Kaneko utiliza outros recursos educacionais, como diretrizes clínicas, vídeos, fotos, esquemas, etc.

Economize tempo com o Body Interact

MingFang Xiang, do Primeiro Hospital Afiliado da Universidade de Shenzhen, na China, discutiu dois desafios. Como responsável pelo desenvolvimento de cursos e treinamentos em Gerenciamento de Recursos de Crise (CRM) e trabalho em equipe, ele começou perguntando: “como podemos ajudar os participantes a dominar conhecimentos fundamentais antes de participarem do curso?”.

Palestrante MingFang Xiang
Palestrante MingFang Xiang

Por um lado, ele percebeu que os alunos preferem aprender fazendo e sendo instruídos a ler artigos ou outros materiais pelo professor. Por outro lado, devido à falta de cenários clínicos disponíveis e à falta de tempo para ele preparar os cenários existentes, era muito difícil e quase impossível trabalhar em uma solução equilibrada.

Por esse motivo, o Dr. Xiang introduziu o Body Interact em suas aulas. Enquanto ele está economizando tempo devido aos cenários pré-configurados do simulador de paciente virtual, agora ele também pode estender a sala de aula para o exterior, atribuindo casos específicos para que seus alunos possam trabalhar em suas habilidades de raciocínio clínico e de tomada de decisão.

Aprendizado contínuo com paciente virtual

Zulfiya Zaripova, como chefe do departamento de currículo da Pavlov First Saint Petersburg State Medical University, acredita que é essencial continuar atualizando o sistema nacional de simulação. “Com essas boas ferramentas educacionais disponíveis, é um desafio e um problema não saber usá-lo”, conclui.

Palestrante Zulfiya Zaripova
Palestrante Zulfiya Zaripova

Ao trabalhar com os cenários clínicos do Body Interact, a educadora médica descobriu o quão útil poderia ser para estudantes de graduação e residentes. As competências a que são expostos nos cenários clínicos são muito semelhantes às que encontram nas residências médicas.

Além disso, para profissionais altamente experientes, também se torna relevante para o aprendizado contínuo, pois permite discutir as diferentes abordagens possíveis.

Não feche a porta para o conhecimento

Desses quatro educadores, levamos para “casa” mensagens muito diferentes, mas essenciais:

  • O Dr. LaPorta acredita que os educadores precisam aumentar o número de pacientes que os alunos veem em seu processo de aprendizagem;
  • O Dr. Ichiro Kaneko reconhece que a combinação de simulação com paciente virtual e debriefing é uma estratégia que deve ser contemplada na educação com base em simulações convencionais;
  • A Dra. Zulfiya convidou todos os educadores e profissionais de saúde da sala a pensar que “realmente a educação nunca para”. Afinal, os estudantes de hoje são os profissionais de saúde de amanhã e, com a rápida evolução das coisas, é essencial incutir neles a importância de estar constantemente atualizado;
  • O Dr. MinFang Xiang mencionou que “a prática leva à perfeição”, não apenas para os alunos, mas também para os educadores.

Neste momento de isolamento social, o paciente virtual é uma excelente alternativa para manter as aulas e os alunos motivados. 
Leia também: Novas alternativas de ensino como resposta para a nova geração de alunos

Posts Relacionados

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *