O futuro da educação médica por conta do novo cenário mundial causado pelo Covid-19

Share on facebook
Facebook
Share on google
Google+
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn


O Covid-19 mudou o aprendizado para o futuro próximo. Vinte e oito milhões de americanos cancelaram seus planos de educação e um em cada cinco fez alterações em seus planos.  Mais de 3.200 instituições de ensino superior nos Estados Unidos foram afetadas durante a primavera de 2020. Para a maioria, o impacto veio de uma transição para educação on-line e a distância, conforme recomendado pelo Centro de Controle de Doenças (CDC) – 98% das instituições de ensino superior mudaram a maioria das aulas presenciais para on-line, com 43% das instituições de ensino superior investindo em novos recursos para se adaptar à educação a distância.

O impacto educacional foi experimentado globalmente. Em abril de 2020, escolas e instituições de ensino superior foram fechadas em 185 países, afetando mais de 1,5 bilhões de alunos, o que representa 89,4% do total de alunos matriculados. À medida que instituições de ensino superior de países ao redor do mundo fechavam unidades físicas, a educação on-line tornou-se o novo normal de uma forma repentina, trazendo, portanto, novos desafios, como equidade, infraestrutura e capacidade acadêmica.

Essas mudanças radicais no ensino superior foram necessárias para proteger alunos, professores e funcionários.

Além da orientação governamental, um documento de trabalho do Swarthmore College e da Universidade da Pensilvânia demonstrando a disseminação do Covid-19 em um grande ambiente universitário, conclui que “mover turmas de mais de 30 alunos para a educação on-line é uma medida muito eficaz para evitar infecções.”

Embora a adoção do aprendizado a distância tenha disparado durante a pandemia pelo novo coronavírus, a educação on-line não é uma ideia nova. A educação por correspondência começou nos anos 1700, as universidades nos anos 1800 começaram a oferecer serviços de extensão e os avanços tecnológicos nos anos 1900 permitiram que as escolas começassem a transmitir educação via rádio, TV e além.

Hoje, uma infinidade de opções de tecnologia, como WebEx, Zoom e Microsoft Teams, tornaram a educação a distância realmente acessível. No entanto, o aprendizado em sala de aula ou estilo palestra não é necessariamente uma transição fácil para aqueles que não planejaram ensinar ou aprender  de forma on-line. E tal transição do ensino presencial ao 100% virtual não é tão simples quanto pode parecer.

Aprender virtualmente não é o mesmo que aprender pessoalmente – existem diferentes demandas de foco, capacidade de atenção e gerenciamento da tensão. Os humanos geralmente querem aprender em um ambiente com colegas, onde as ideias possam ser facilmente trocadas. A educação a distância requer pensamento, estilo de ensino e tecnologia diferentes para criar ambientes centrados no aluno.

A educação on-line para alunos da área de saúde é mais difícil de aplicar, pois geralmente há mais fatores de estresse em um ambiente presencial, além do fato que as profissões de saúde normalmente exigem treinamento prático. Dessa forma, as exigências impostas pelo Covid-19  resultaram em mudanças mais extremas, como cancelamentos e ajustes nos requisitos de aprendizagem.

“A saúde tende a perceber as nuances dos dados históricos. Processos complexos de doenças frequentemente levam a mudanças. Portanto, precisamos nos concentrar em como podemos ajudar as pessoas a se prepararem. Estamos empenhados em fornecer educação e treinamento a tempo para instalações para gerenciar pacientes altamente complexos e comunicáveis, além de profissionais de saúde atuais e futuros.”

Amar Patel, DHSc, MS, NRP, CHSE, FSSH – Chief Learning Officer, CAE Healthcare Academy

Preocupações com o aprendizado clínico durante a pandemia de Covid-19

A experiência clínica presencial sempre foi fundamental na preparação dos profissionais de saúde para o campo. No entanto, pandemia pelo novo coronavírus criou um ambiente onde o contato pessoal com pessoas fora de sua casa deve ser limitado. Além disso, as unidades de saúde precisam fornecer equipamentos de proteção pessoal para os profissionais licenciados para lidar com o aumento do número de pacientes que chegam para teste e tratamento de Covid-19. Essas preocupações contribuíram para decisões, como a da Associação de Universidades Médicas Americanas, que apoia fortemente a suspensão temporária das rotações clínicas e a participação voluntária – ao invés de obrigatória – no cuidado direto dos pacientes. Na Austrália e no Canadá, os estágios clínicos foram em grande parte suspensos. No Reino Unido, os alunos de enfermagem têm a opção de optar voluntariamente por estágios clínicos pagos. Outros hospitais universitários mudaram os protocolos de quantas pessoas podem participar das rodadas presenciais – o que significa que alguns alunos usam a tecnologia para participar das rodadas remotamente. Além da decepção que os alunos podem sentir por ter que mudar ou cancelar oportunidades clínicas, um estudo com estudantes de medicina no Reino Unido (UK) também descobriu que esse tipo de interrupção teve um efeito na confiança e no preparo dos alunos.

Apesar desses desafios enfrentados pelos alunos clínicos, conforme o total de casos de Covid-19 e mortes associadas continuam a aumentar, a demanda por profissionais de saúde é mais forte do que nunca. Antes do surto do coronavírus, os empregos na área de saúde deveriam crescer 14% entre 2018 e 2028 – mais rápido do que qualquer outra ocupação. Mesmo com esse crescimento projetado, o relatório Situação Mundial da Enfermagem da Organização Mundial da Saúde apela para a criação de pelo menos seis milhões de novos empregos de enfermagem e obstetrícia até 2030, a fim de fornecer cobertura equitativa. Essa necessidade crescente de profissionais de saúde qualificados, combinada com a necessidade de manter a saúde e a segurança dos educadores e alunos da área de saúde, fez com que alguns estados revisassem os requisitos para ganhar experiência clínica.

Diretrizes atualizadas para alcançar proficiência clínica

Os meios para confirmar o conhecimento e a prontidão de campo estão evoluindo globalmente como resultado do ambiente criado pela pandemia.

• No Reino Unido, o Conselho de Enfermagem e Obstetrícia permitiu que estudantes de enfermagem, nos últimos seis meses de seu programa de enfermagem, ingressassem em um registro temporário das pessoas elegíveis para a prática durante a pandemia do Covid-19.

• A Federação das Autoridades Reguladoras Médicas do Canadá concordou em permitir que os estudantes de medicina qualificados no último ano obtenham uma licença educacional para ingressar no treinamento de residência, sem primeiro completar o Exame de Qualificação do Conselho Médico do Canadá (MCCQE) Parte Um.

• Em março de 2020, o decreto Cura Itália mudou as regras dos exames do conselho médico italiano, permitindo que os estudantes de medicina italianos entrassem rapidamente no sistema de saúde após a formatura, sem antes concluir o exame de pós-graduação.

• Nos Estados Unidos, um estado “ponto crítico” com impactos significativos do Covid-19 – como Oregon – mudou para permitir que estudantes seniores de enfermagem trabalhassem como profissionais de saúde remunerados, atendendo à demanda por cuidados durante a pandemia e servindo como uma experiência clínica no final de sua formação. A simulação é comumente usada como um componente de aprendizagem complementar para direcionar a experiência de cuidados com o paciente, necessária para a graduação de estudantes de enfermagem. Geralmente envolve pessoas, ferramentas e/ou situações que reproduzem o atendimento clínico. A simulação de paciente de alta fidelidade provou ter maiores efeitos no conhecimento e desempenho clínico do que outros métodos de ensino.

Por exemplo, a aprendizagem por simulação de alta fidelidade mostrou aumentar os resultados dos testes para estudantes de medicina franceses no Exame de Classificação Nacional, quando comparada às formas tradicionais de aprendizagem. Para o semestre adiado da primavera de 2020, o Ministério da Educação da China acelerou a proeminência da educação online e à distância, pedindo às instituições de ensino superior que aplicassem o aprendizado online e simulassem experiências de ensino para oferecer educação remotamente. Durante a pandemia de Covid-19, aqui está uma amostra dos estados americanos que estão fazendo ajustes aos requisitos, aumentando o número de horas aceitáveis para simulação clínica:

ArizonaOs programas de enfermagem podem solicitar isenções para substituir o ensino presencial pelo online e substituir experiências clínicas por simulação.    
CalifórniaOs programas de enfermagem podem usar até 50% de simulação para a prática clínica (o limite anterior de simulação era de 25%).  
FloridaOs programas de enfermagem podem substituir as horas didáticas por videoconferência remota supervisionada ao vivo e todas as horas necessárias de instrução clínica supervisionada por simulação.  
IowaOs programas de enfermagem podem utilizar mais de 50% de simulação (limite anterior), com a sugestão de adquirir mais experiências clínicas no futuro.  
MichiganOs programas de enfermagem podem conduzir até 100% das horas de experiência clínica usando simulação virtual e/ou outras atividades online clinicamente relacionadas.  
Dakota do SulOs programas de enfermagem podem substituir até 50% das experiências clínicas por simulação.  
VermontO limite de simulação de 25% para programas de enfermagem foi temporariamente dispensado.  

Além de ajustar as diretrizes clínicas, O Conselho Nacional de Conselhos de Enfermagem do Estado, que desenvolve o exame nacional para o licenciamento de enfermeiros (NCLEX) – um método para testar a competência de graduados em escolas de enfermagem nos Estados Unidos – modificou a experiência de teste até setembro de 2020. No início do ano, os procedimentos NCLEX modificados foram planejados até julho, mas, em maio, foram estendidos para o outono. As mudanças incluem um número limitado de centros de teste que estão abertos e um novo limite para o tempo de teste. Estudantes canadenses de medicina também aumentaram a flexibilidade no agendamento do MCCQE. Por exemplo, em junho de 2020, o MCCQE Parte Um foi entregue pela Prometric por meio de supervisão remota, com a opção de teste presencial nas instalações seguindo o distanciamento físico e outras medidas de proteção.

Educação on-line e a distância como o novo normal

Embora o Departamento de Educação estivesse trabalhando em propostas de regulamentos de educação on-line e a distância para o ensino superior antes da chegada do Covid-19 aos Estados Unidos, a pandemia de coronavírus basicamente exigiu que a maioria das escolas e universidades oferecesse educação on-line e a distância para todos os alunos.

Em alguns casos, essa transição forneceu alguns efeitos colaterais positivos inesperados. Na Universidade de Sunshine Coast em Queensland (Austrália), a mudança para modelos de telessaúde deu aos alunos oportunidades de desenvolver habilidades de e-saúde que são características essenciais para profissionais de saúde.

Para escolas com programas de saúde que requerem experiência clínica, a simulação está agora tendo um espaço mais proeminente. Existem muitos benefícios em usar a simulação, incluindo:

• Segurança do paciente e aprendizado sem riscos.

• Interatividade e envolvimento para os alunos – a simulação clínica virtual permitiu uma melhora de 20,4% na retenção de conhecimento e raciocínio clínico do aluno.

• Capacidade sob demanda de recriar cenários de treinamento específicos repetidamente.

A simulação conduzida por meio de educação a distância significa que os facilitadores estão conduzindo as simulações remotamente e os alunos estão treinando por conta própria com simulação de casa. A simulação virtual significa que os alunos não são limitados pela geografia e podem obter mais exposição às habilidades práticas e pensar de forma independente – em comparação com clínicas presenciais, que às vezes podem limitar a exposição prática real.

Métodos comuns de simulação de alta fidelidade usados em ambientes clínicos

Paciente padronizado

• De acordo com o Dicionário de Simulação de Saúde – 2° edição, um paciente padronizado (PS) é “um indivíduo que é treinado para representar um paciente real a fim de simular um conjunto de sintomas ou problemas usados para educação, avaliação e pesquisa em saúde”.

• Esse tipo de simulação é frequentemente usado para praticar habilidades de comunicação terapêutica.

Realidade virtual ou mista

• Realidade virtual é “um ambiente tridimensional gerado por computador que dá um efeito de imersão”.

• Realidade mista é “uma categoria que engloba a combinação híbrida de ambientes de realidade virtual e realidade (por exemplo, ambiente real, paciente padronizado, simulador manequim normal)”.

• Esse tipo de simulação é frequentemente usado para desenvolver e manter habilidades clínicas sem contato físico.

 Manequim ou manequim de habilidades

• Um manequim é “um simulador de corpo inteiro ou parcial que pode ter vários níveis de funções fisiológicas e fidelidade”.

• Um manequim de habilidades é “um modelo que representa uma parte ou região do corpo humano, como um braço ou abdômen. Esses dispositivos podem usar interfaces mecânicas ou eletrônicas para ensinar e dar feedback sobre habilidades manuais, como inserção intravenosa, escaneamento de ultrassom, sutura, etc”.

• Esse tipo de simulação é frequentemente usado para desenvolver o pensamento crítico, comunicação e habilidades clínicas.

Como as escolas estão respondendo

“Embora essas simulações não forneçam aprendizagem prática, os alunos estão se beneficiando com o uso de habilidades de pensamento crítico e de tomada de decisão, que são essenciais em um ambiente clínico. Acho que haverá uma presença maior para simulações virtuais no futuro. Temos que estar preparados para opções remotas.”


Mike Jacobs, DNS, RN, CHSE, Diretor e Professor do Programa de Simulação da Universidade do Sul do Alabama

Universidade do Sul do Alabama

Antes do Covid-19, o Programa de Simulação da Universidade do Sul do Alabama (EUA) incluía as modalidades de manequim e paciente padronizado. Durante a pandemia, o programa de simulação dos EUA fez a transição de todas as horas clínicas restantes do período para serem feitas virtualmente por simulação.

Com um programa de simulação já próspero, essa mudança exigiu que o corpo docente dos EUA reprogramasse as sessões de simulação para serem conduzidas virtualmente. Como resultado, os alunos participaram de simulações remotamente por meio de videoconferência, enquanto os professores realizaram ações dirigidas aos alunos.

Mike Jacobs, DNS, RN, CHSE, Diretor e Professor no Programa de Simulação dos EUA observa que as sessões virtuais de pacientes padronizados funcionaram bem com pequenos grupos (até quatro alunos). “Durante uma chamada do Zoom, fornecemos um histórico de saúde e, em seguida, realizamos um exame simulado do paciente com base nas instruções do aluno. Essa interação mantém os alunos envolvidos – eles parecem gostar”.

Da mesma forma, o Programa de Simulação dos EUA usa videoconferência para exibir informações – como sinais vitais, valores de laboratório e medicamentos – de um monitor de simulação. Novamente, trabalhando com os alunos para determinar as ações, o corpo docente faz um exame ou procedimento ao vivo no centro de simulação, compartilhando os resultados com a classe. Jacobs diz: “Não é exatamente o mesmo que interações presenciais, mas as soluções virtuais estão preenchendo as lacunas com bastante eficácia”.

Universidade da Carolina do Norte – Chapel Hill

O Centro de Habilidades Clínicas e Simulação de Paciente (CSPSC) da Universidade da Carolina do Norte (UNC) é um local para estudantes das Faculdades de Medicina, Farmácia, Odontologia e Saúde Pública praticarem o envolvimento com os pacientes.

Embora o Covid-19 certamente tenha causado um impacto na capacidade dos alunos, pacientes padronizados e professores de estarem fisicamente juntos, a UNC vinha trabalhando em direção a mais recursos de educação on-line para simulação há algum tempo. Com o corpo docente nem sempre no campus – às vezes trabalhando em uma clínica ou hospital – a UNC tem trabalhado, por mais de cinco anos, com um sistema de simulação que permite que o corpo docente monitore os encontros entre alunos e pacientes padronizados remotamente.

Além disso, em Março de 2019, a UNC conduziu uma opção de validação do conceito para oferecer um nível totalmente online que incluía trabalhar com pacientes padronizados. Neste piloto, os pacientes padronizados visitaram o Centro de Habilidades Clínicas e Simulação de Paciente (CSPSC) e interagiram com alunos remotos usando o Zoom. Quando a pandemia chegou, a UNC estava preparada para fazer a transição completa das experiências de simulação para um ambiente de educação on-line e a distância. Jackson Szeto, Coordenador de Testes de Habilidades Clínicas do CSPSC, observa que ter a capacidade de fazer mais educação virtual tem sido extremamente útil. “Muitos dos pacientes padronizados com que trabalhamos são idosos – entre 70 e 80 anos – então, oferecer uma opção para eles trabalharem em casa tem sido importante. Confirmamos que é possível fazer de forma eficaz uma sessão de telemedicina com todos remotos”.

Mantendo o ritmo com educação on-line e à distância

É fato que a educação médica no mundo continuará, cada vez mais, a tendência de manter o ensino a distância e os programas curriculares das instituições de ensino não serão mais os mesmos.

O Body Interact, por exemplo, é um software de simulação médica com paciente virtual que tem sido a solução encontrada por muitas universidades brasileiras e no mundo para lidarem com o ‘novo normal’. Além de treinar a tomada de decisões em atendimentos clínicos em ambientes virtuais, os alunos participam de discussões com os professores e colegas no debriefing, onde podem checar quais erros cometeram e como poderiam diminuir o tempo da tomada de decisão com assertividade.

Antes do Covid-19, o Body Interact já era e é tendência como ferramenta inovadora no ensino das profissões de saúde: em algumas instituições o sotware era utilizado em um dispositivo – a mesa virtual Body Interact – no qual os professores reuniam os alunos ao redor do equipamento, promovendo até mesmo desafios em grupo. Algumas universidades organizavam até mesmo competições entre as instituições de ensino, o que estimulava e motivava os alunos ao aprendizado de forma lúdica, mas eficaz, em um ambiente seguro com interação com o paciente virtual.

Com a nova realidade, o software se tornou essencial para manter o aprendizado a distância, mantendo os alunos conectados sob a orientação dos professores.

Veja mais sobre as conclusões sobre o uso do Body Interact:

Posts Relacionados

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *