“Vejo um futuro próximo onde não será ético realizar cirurgias em humanos sem antes passar pela simulação.” – entrevista com o Prof. Dr. Antonio Carlos Lottelli Rodrigues

Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no google
Google+
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no linkedin
LinkedIn

Quase um ano e meio após a Faculdade de Medicina de Botucatu (UNESP) se tornar o primeiro programa de residência brasileiro a adotar a simulação cirúrgica – no curso de Oftalmologia, para treinamento de cirurgias de catarata – conversamos com o responsável por levar este recurso à universidade, para entendermos a importância de tal método na capacitação dos estudantes. O Prof. Dr. Antonio Carlos Lottelli Rodrigues – Chefe da Disciplina de Oftalmologia na instituição – nos explica a diferença entre o antes e o depois da simulação cirúrgica.

“O simulador foi instalado em nosso serviço em maio de 2015 e de imediato disponibilizado aos nossos residentes. Desde que o aluno tenha conhecimento teórico dos princípios básicos da cirurgia de catarata por facoemulsificação, ele pode treinar no equipamento, sem a necessidade de um orientador.

O administrador do sistema cria para cada aluno um cadastro com login e senha e, após uma breve introdução sobre seu funcionamento, o próprio simulador guia o aluno por tarefas cada vez mais complexas e passo dependentes (enquanto não completa a tarefa de maneira adequada a próxima não é habilitada), como nos jogos de vídeo game.

Treinamento no Simulador Eyesi Cirúrgico

O aluno também pode a qualquer momento interromper e depois retomar o treinamento no ponto que parou utilizando seu login e senha. Após completar todas as etapas, o que leva aproximadamente 16 horas, o simulador emite um certificado de conclusão com os dados e o desempenho do aluno. Com essas características e flexibilizando o uso do simulador a nossos residentes, foi possível que todos os R2 já em 2015 completassem o treinamento, antes de iniciarem com os pacientes. Este ano temos a segunda turma de residentes com  treinamento no simulador.

Hoje os R2 só são habilitados para iniciar as cirurgias em pacientes após concluírem o curso no simulador, essa é a grande diferença. Antes do simulador o treinamento era feito em olhos de animais suínos e tínhamos pouco controle da quantidade e da qualidade daquilo que havia sido executado na cirurgia experimental (Wet Lab).”

Da maneira atual, portanto, os animais são poupados, e os resultados se mostram melhores. Dr. Antonio Carlos nos conta que tem uma pós graduanda trabalhando objetivamente com os dados pré e pós simulador, de maneira a levantar complicações e dificuldades nas cirurgias realizadas por residentes nos últimos dois anos antes do simulador Eyesi e nos dois anos em que estão fazendo uso dele: “Esse trabalho deve ser concluído em meados de 2017, no entanto é visível a diferença, alguns deles conseguem realizar a cirurgia completa em sua primeira intervenção com pacientes, isso é incrível!”.

O Professor Doutor continua, e explica o método de treinamento usado anteriormente: “Antes do simulador introduzíamos os residentes no chamado ensino de “trás para frente”. Por esse método o residente realiza etapas finais do procedimento, em cirurgias cujo orientador realiza as etapas iniciais, e gradativamente vai assumindo as etapas até realizar o procedimento completo. Com o simulador abandonamos esse método e o residente inicia a cirurgia podendo chegar até o final, desde seu primeiro paciente. O orientador só assume o procedimento, ou parte dele, se necessário. Como já mencionei não é raro que o residente consiga fazer todo procedimento, sem intervenção do orientador, em sua primeira cirurgia…

Só quem orientou residentes em cirurgias de catarata sabe o quanto é difícil e estressante, pequenos erros podem gerar grandes complicações. O simulador sem dúvida facilitou nosso trabalho, mas o aspecto mais positivo deste recurso é tornar o treinamento mais seguro aos pacientes. Vejo um futuro próximo onde não será ético realizar cirurgias em humanos sem antes passar pela simulação.”.

Nossos agradecimentos ao Prof. Dr. Antonio Carlos Lottelli Rodrigues pelo tempo dispensado com esta entrevista.

Faculdade de Medicina de Botucatu (UNESP)
Facebook – Faculdade de Medicina de Botucatu (UNESP)
Notícia à ocasião do início do uso do simulador Eyesi na Faculdade (em inglês)

Até a próxima!

Posts Relacionados

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *