A simulação de paciente e o futuro da enfermagem

Share on facebook
Facebook
Share on google
Google+
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn

O ano de 2020 é, pela Organização Pan-Americana da Saúde (OPAS) e Organização Mundial da Saúde (OMS), considerado o Ano Internacional da Enfermagem, por celebrar o 200º aniversário de nascimento de Florence Nightingale, um dos principais ícones da história da enfermagem, tendo grande destaque na Guerra da Crimeia (1853-1856) na Rússia, e que deu origem às bases da profissão dos dias de hoje.


Dessa forma, a data tem também o objetivo de reconhecer o trabalho feito por esses profissionais em todo o mundo, bem como melhorar suas condições de trabalho, educação e desenvolvimento profissional. 

E hoje, mais do que nunca, a celebração faz todo sentido, uma vez que vai ao encontro da realidade que vivemos por conta da pandemia: os enfermeiros, juntamente com os médicos, são os principais profissionais de saúde que estão na linha de frente no combate ao novo coronavírus, merecendo o respeito e os aplausos de toda a sociedade.

Trazendo ainda uma reflexão acerca da importância da celebração deste ano e sobre o futuro da profissão de enfermagem é que Christine Park, MD, líder reconhecida em simulação e presidente da Sociedade de Simulação em Saúde de 2017, escreveu um artigo refletindo sobre o papel que a simulação desempenha a esses profissionais e na melhoria da segurança do paciente (publicado na edição online do Media Planet’s “Future of Health Care News”).

Aqui estão alguns trechos desse artigo:

“… Os enfermeiros há muito tempo utilizam o treinamento por meio de simulação para procedimentos como a inserção de um cateter ou tubo e estudos têm mostrado que esse tipo de prática reduz infecções.

No entanto, hoje os enfermeiros cuidam de pacientes cada vez mais complexos, em ambientes cada vez mais exigentes. A simulação é fundamental para o treinamento de novas habilidades; desenvolvendo experiências com procedimentos raros e mantendo e expandindo a competência ao longo da carreira.

… vejo três áreas principais de benefício no treinamento e educação de enfermeiros com simuladores. O primeiro é obter competência em habilidades técnicas. O segundo tem a ver com a integração de habilidades cognitivas e psicossociais no atendimento ao paciente. O terceiro é melhorar as habilidades de comunicação da equipe em um ambiente clínico …

… Nos próximos cinco a dez anos, prevejo que a simulação se tornará uma parte fundamental de todo o espectro da carreira de um enfermeiro e o treinamento de qualidade com simulação se tornará uma demanda pública.

… O aprendizado através da simulação terá um grande impacto na melhoria do desempenho individual, da equipe e dos sistemas, para como objetivo final, a segurança do paciente “.

Christine Park, M.D.

Simulação como ferramenta de ensino para aquisição de habilidades clínicas: agora e no futuro


A simulação em saúde para enfermeiros provou ser uma maneira segura para os estudantes praticarem e aprenderem até alcançarem competência necessária para sua atuação no dia a dia. Estudantes de enfermagem e de outras áreas da saúde são capazes de experimentar cenários realistas em um ambiente livre de riscos (que não prejudique os pacientes reais). Dessa maneira, eles podem dedicar um tempo para refletir sobre o que deu certo e o que deu errado. Com a simulação, os estudantes de enfermagem podem aprender com o feedback produtivo em tempo real.

O futuro do treinamento em enfermagem e assistência médica está na descoberta das muitas maneiras adicionais pelas quais a simulação facilita o aprendizado verdadeiro e profundo. Seja através de simulações virtuais, simulações com manequins ou realidade aumentada, as tecnologias do futuro fornecerão mais oportunidades para os educadores descobrirem os resultados benéficos que a simulação oferece à profissão de enfermagem. Alguns desses resultados positivos incluem:

  • aquisição mais rápida de habilidades processuais e clínicas
  • desenvolvimento de competências essenciais de enfermagem
  • domínio das habilidades psicomotoras básicas sem o risco de prejudicar os pacientes
  • transferência direta de habilidades para o ambiente clínico
  • autoconfiança aprimorada no pensamento crítico e nos recursos de gerenciamento de problemas

Conheça CAE JUNO, o simulador de paciente sem fio projetado para treinamento das habilidades clínicas em tratamentos essenciais até cenários críticos e avançados de atendimento ao paciente, útil para preparar enfermeiros nos ambientes hospitalares tão desafiadores dos dias de hoje.

Leia mais sobre simulação e enfermagem nos posts abaixo:

Posts Relacionados

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *