Serenidade do Toque completa 15 anos na missão de resgatar a autoestima e autonomia de pessoas com deficiência visual, cegas e baixa visão por meio da massagem

Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no google
Google+
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no linkedin
LinkedIn
3 massoterapeutas com baixa visão, realizando atendimento de pacientes com Shiatsu em cadeiras próprias para isso.

A “Serenidade do Toque – Massagem feita por cegos” – completa 15 anos e, ao longo desse tempo, já capacitou mais de mil pessoas com deficiência visual, promovendo a inserção de mais de 800 alunos no mercado de trabalho. “Nós fazemos a ponte entre os formandos e as empresas, resgatando, assim, a autoestima, autonomia das pessoas com deficiência e promovendo a sua inclusão social como profissionais reconhecidos”, explica Alice Kuhl Rossi, massoterapeuta, graduada em pedagogia e uma das fundadoras. 

Segundo a empreendedora, a grande maioria das pessoas perde a visão na fase adulta ou durante a adolescência para a fase adulta. “Dessa forma, muitos não chegam a concluir os estudos e com isso, acabam não adquirindo uma profissão, o que dificulta ainda mais a conquistarem uma vaga no mercado de trabalho. Então a deficiência visual acaba atrapalhando essa inserção social e a partir da profissão que adquirem com a Serenidade do Toque, são motivados a retomarem os estudos. Ou seja, o nosso trabalho vai muito além de só um curso de massagem”, esclarece.

A empreendedora relembra que tudo começou quando em 2006 ela recebeu um telefonema da Associação Laramara, voltada a pessoas com deficiência visual, solicitando doações. Alice, que já atuava como massoterapeuta, quis então conhecer de perto as atividades da instituição com jovens e adultos e como ela poderia contribuir com o universo da deficiência visual que era até então desconhecido para ela. 

“Passei a entender que as pessoas com deficiência visual são, entre as pessoas com deficiência, as que tinham as menores chances de empregabilidade no mercado de trabalho e, então, eu e o meu sócio, Cícero Mesquita, também massoterapeuta, montamos oficinas de capacitação com foco na inserção dessas pessoas nas empresas. Fomos voluntários durante cinco anos na instituição, além de parcerias com outras instituições voltadas também a pessoas com deficiência visual, como a Fundação Dorina Nowill. Até que começou uma alta demanda por mão de obra qualificada de profissionais com deficiência por conta da Lei das Cotas, que completou 30 anos em julho deste ano. E as pessoas com deficiência visual foram sendo reconhecidas na área da massagem pelas empresas como uma forma de cumprir a lei, além de passarem a ser valorizadas na medida em que os benefícios da massagem à saúde mental e física dos funcionários também começaram a ser reconhecidos. Decidimos, então, que era a hora de profissionalizar o que fazíamos como trabalho voluntário, criar uma metodologia de ensino e expandir para que mais pessoas com deficiência visual que tivessem o interesse em aprender a profissão de massoterapeuta pudessem ter a oportunidade da capacitação e uma melhor qualidade de vida. Dessa forma, eu e o Cícero decidimos abrir a Serenidade do Toque, uma empresa social com foco na capacitação dessas pessoas para a empregabilidade. Afinal, desde que nos formamos em massoterapia, em 2004, tínhamos o sonho de fazer algo que realmente fizesse a diferença na vida das pessoas por meio da massagem e a vida foi nos levando ao nosso objetivo”, relembra Alice.

Com a convivência com os alunos, a empreendedora foi desenvolvendo um método exclusivo de ensino da massoterapia, adaptando totalmente o ensino das técnicas ao universo da deficiência visual. “Nós passamos a entender a forma mais fácil deles absorverem o conhecimento, tanto no caso da perda total quanto parcial da visão, mas com foco na dificuldade grande de percepção do ambiente que é inerente a todos eles. Mas, respeitando as necessidades de cada um e a facilidade no processo de aprendizagem – tem aqueles que são mais de ouvir a prática e as manobras são confirmadas com o que eles ouviram, outros aprendem pelo toque, repetindo o movimento várias vezes. Por isso, a nossa metodologia tem como foco respeitar a individualidade e o tempo de cada aluno”.

Grupo de deficientes visuais que fizeram curso da Serenidade do Toque mostram seu diploma

Os cursos são realizados na Serenidade do Toque e têm custo abaixo do mercado. Além disso, a empresa orienta os alunos que têm interesse em empreender como massoterapeuta a como se tornar pessoa jurídica e quais materiais precisam adquirir para disponibilizar nos atendimentos. Há também a oportunidade de os formandos atuarem na Serenidade do Toque, tanto nas clínicas de atendimento presencial, que servem também de laboratório para a prática como nos eventos realizados em empresas.

Antes da pandemia, uma das principais atuações da Serenidade era em eventos empresariais que disponibilizavam a massagem como uma das atrações aos visitantes, além de presença fixa durante a SIPAT (Semana Interna de Prevenção de Acidentes do Trabalho). O modelo in-company também era um dos carros-chefes do empreendimento, que agradava empresas de todos os portes, não só no cumprimento da Lei de Cotas, mas, porque recebia elogios de centenas de pessoas que passavam pelas mãos dos massoterapeutas da Serenidade do Toque – aquele momento de pausa de 15 minutos do dia, muito necessário e aguardado pelos funcionários para melhorar o bem-estar físico e, principalmente, mental. “Atendemos mais de 3 mil empresas de grande porte e fizemos grandes eventos com os nossos profissionais por todo o Brasil. Além disso, nos orgulhamos de ter muitos dos nossos formandos que foram contratados por grandes companhias, o que confirma o reconhecimento da pessoa com deficiência visual na profissão”, orgulha-se Alice. 

equipe da Serenidade do Toque realizando massagem em atletas do São Paulo futebol clube

Segundo ela, antes da pandemia, era comum a empresa receber patrocínio do setor privado. “Destinávamos parte dessas verbas à capacitação gratuita para a formação dos nossos alunos. Porém, com a situação do país, os patrocínios foram todos cancelados, mas temos esperança de que as coisas vão retornar aos poucos”, diz a especialista.

Hoje, os atendimentos presenciais da clínica da Serenidade do Toque estão funcionando normalmente de segunda à sexta-feira, das 10h às 19h, e aos sábados, das 10h às 16h, na Vila Mariana, em São Paulo (R. Dr.Thirso Martins, 130).  Os massoterapeutas atendem com quick massage, reflexologia podal, massagem clássica relaxante, drenagem linfática e shiatsu. Os valores variam de R$20,00 a R$110,00, de acordo com os atendimentos. É preciso agendar horário pelo WhatsApp (11) 94908-0037.

Reconhecimento além da deficiência

Valquíria dos Santos Durão, 47 anos, é massoterapeuta da Serenidade do Toque desde 2009. Conheceu a profissão quando frequentava a sala de aula de um curso de capacitação em computação da Fundação Dorina Nowill e lá foram apresentadas diversas oportunidades de outros cursos, entre eles, a massagem, que era ministrada gratuitamente pela Serenidade do Toque. 

A profissão despertou seu interesse e ela decidiu tentar, uma vez que nunca havia pensado na possibilidade de aprender a massagem. Valquíria tem baixa visão, causada pela toxoplasmose que sua mãe teve durante a gestação, o que afetou sua retina.

“Fiquei encantada com a massagem. Logo que me formei, passei a ser chamada pela Serenidade do Toque para participar já como profissional em muitos eventos empresariais: festas de fim de ano, datas comemorativas, como Dia da Mulher, eventos em parques, entre diversos outros. E então as portas foram se abrindo e a Serenidade me proporcionou o meu primeiro emprego com contratação CLT em uma grande empresa e assim começou a minha jornada como profissional reconhecida na massagem. Trabalhei em diversas outras grandes companhias, até que em um período da minha vida eu tive que me afastar do trabalho por um problema de saúde da minha mãe. Quando ela melhorou, a Serenidade novamente me ajudou a voltar ao mercado de trabalho adaptando às novas condições que eu podia na época: meio período. Antes de conhecê-los, eu não assumia minha deficiência, eu não era inteira. Eu tinha minha família, marido, filhos, sogra, pais, mas eu tinha vergonha de falar da minha deficiência. Depois que conheci a Serenidade do Toque, foi como uma luz em minha vida, porque eu me vi descobrindo várias coisas de mim mesma e o quanto eu conquistei, não só a minha profissão, mas os meus estudos. Eu tenho muito orgulho de mim, por eu ser uma pessoa melhor, uma mãe melhor para meus filhos, uma esposa melhor para o meu marido e uma filha melhor. Além disso, eu sou apaixonada pelo meu trabalho, que desempenho com muita leveza. A massagem é um sol, é a luz, são as estrelas, é tudo que me cabe! Sou muito grata à Serenidade do Toque, que me proporcionou todo esse conhecimento e por sempre ter me despertado a curiosidade do saber, do acolher e da importância de tudo isso. No decorrer de mais de 10 anos, fiz muitas amizades ao longo dessa caminhada e é emocionante ver tantos de nós que foram despertados, que saíram da comodidade pela Serenidade do Toque, que nos devolve a vida. Hoje em dia eu sou reconhecida onde eu trabalho não pela minha deficiência, mas pela minha profissão. Obrigada, Serenidade do Toque!”, emociona-se Valquíria, que trabalha há três anos no Hcor, contratação viabilizada também pela equipe de Alice.

Posts Relacionados

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *