Educação a distância durante e pós-pandemia

Share on facebook
Facebook
Share on google
Google+
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
estudantes tendo aula a distânca


Instituições de ensino de profissionais da saúde reinventaram suas metodologias de ensino desde o surgimento do surto de COVID-19. Algumas conseguiram operar de forma totalmente remota, outras encontraram um equilíbrio entre aulas presenciais e o aprendizado on-line.

Como amplamente discutido no início da pandemia, é importante incentivar os educadores a compartilharem suas experiências. Com certeza, as instituições de ensino e de saúde se beneficiarão com exemplos de como educadores e profissionais de saúde se reinventaram ao adotar essas novas soluções digitais.

Mais do que garantir que todos pudessem manter suas aulas, era essencial que as instituições encontrassem rapidamente soluções capazes de responder a desafios imprevistos –  como será daqui pra frente, com eventuais pandemias, a partir desta que estamos vivenciando e que exigiu o fechamento das escolas? E se a prática clínica for de novo suspensa? Poderia haver um equilíbrio entre aulas de aprendizagem presencial e digital?

Para compartilhar esses insights, a Body Interact, em parceria com a Society of Simulation in Healthcare (SSH), promoveu um webinar sob a temática Educação a Distância durante e pós-pandemia.

Assim, cinco educadores foram convidados a compartilhar suas experiências sobre a importância do uso da simulação virtual do paciente durante o surto. Da Geórgia ao Chile, todos os palestrantes trouxeram para o webinar uma perspectiva diferente, tendo o Body Interact como a solução digital.

Urgência, novidade e satisfação

O professor Roberto De Ponti, da Universidade de Insubria, Itália, iniciou sua apresentação escolhendo essas três palavras para definir sua experiência dentro da pandemia e da implementação de pacientes virtuais no currículo universitário.

Urgência:

Devido à pandemia de COVID-19, o treinamento médico hospitalar foi interrompido no final de fevereiro de 2020. Cem alunos estavam cursando o 6º ano das faculdades de medicina e precisavam terminar o treinamento prático antes de julho e início de setembro. Caso contrário, eles não se formariam e não poderiam se inscrever nos programas de residência de pós-graduação.

Novidade:

Mesmo que o Body Interact já estivesse no mercado, alunos e educadores da Universidade de Insubria ainda não estavam acostumados com nenhum tipo de simulador virtual de pacientes.

Mesmo assim, era hora de traçar um plano e garantir que os alunos continuassem com a prática.

Dividida em grupos de 20 alunos, cada sessão do Body Interact começou com uma apresentação do tutor sobre o briefing do paciente virtual que eles precisariam gerenciar. Em seguida, os alunos executariam o cenário individualmente e voltariam 20 minutos depois para a sessão de debriefing.

Satisfação:

Tão importante quanto encontrar uma estratégia, é avaliar sua implementação. Assim, os alunos responderam a um questionário de 12 itens para investigar a qualidade percebida dessa modalidade de treinamento.

Quanto à probabilidade de recomendar o Body Interact a outras universidades médicas, os alunos avaliaram positivamente o acesso à web, a seleção dos cenários, o tempo dado para resolver cada caso e seu componente realista.

Além disso, quando questionados os alunos sobre que tipo de treinamento médico eles recomendariam para a próxima geração de alunos, eles concluíram como é importante complementar a metodologia de ensino tradicional com um software como o Body Interact.

As conquistas positivas do COVID-19

A segunda palestrante do dia foi a Professora Eliana Escudero, da Universidad Diego Portales, Chile. Ao olhar para trás e, apesar da gravidade da situação pandêmica, a Professora Eliana percebeu que o COVID-19 também trouxe conquistas positivas para a escola.

Antes do surto, não havia departamento de simulação em sua universidade no Chile. No entanto, fruto da necessidade de encontrar uma solução que permitisse aos alunos continuar a aprender num ambiente seguro e controlado, foi criado um centro de simulação e o Body Interact introduzido no currículo.

Os desafios surgiram e foi necessário começar a desenhar um plano. Era importante entender quais eram as prioridades, como implementar a plataforma Body Interact e como fazer os ajustes curriculares necessários para se adaptar a este novo método de aprendizagem digital.

Além disso, os educadores precisavam aprender como tirar proveito dos pacientes virtuais – entendendo como apresentar um caso e como construir a sessão de debriefing.

Garantir a segurança do paciente e do aluno

Ter um ambiente virtual como o Body Interact permitiu que aprendessem com seus erros, garantindo segurança tanto para alunos quanto para pacientes.

Outra conclusão encontrada na pesquisa da Universidad Diego Portales foi em relação ao uso do simulador: 77,9% dos alunos, preferem resolver juntos o mesmo cenário clínico com a orientação do educador.

Importante citar que o Body Interact foi utilizado por diferentes carreiras na universidade: obstetras, terapeutas e enfermeiros. Assim, cada curso utilizou diferentes cenários clínicos com foco em seus objetivos de aprendizagem e necessidades de treinamento.

Um investimento nos estudantes do último ano

Nosso terceiro palestrante foi o professor Pier Ingrassia da Università del Piemonte Orienale, na Itália. Com a recente criação do seu centro de simulação (2014), a universidade implementou um currículo de simulação específico, abrangendo os seis anos da licenciatura em medicina com diferentes tipos de simuladores.

De acordo com os objetivos de aprendizagem estabelecidos, cada ano do curso médico utiliza o simulador que mais ajuda a atingir os objetivos do ano letivo. Tanto usando manequins de habilidades, pacientes virtuais, simulador de pacientes, jogos (para habilidades não técnicas) e manequins de alta fidelidade, todos os exercícios terminam com uma sessão de debriefing.

Como a universidade converteu todas as suas aulas em vídeo-aulas, eles foram incapazes de oferecer o mesmo currículo em termos de sessões práticas para todos os anos letivos. Portanto, eles decidiram focar seus investimentos nos alunos do terceiro e sexto ano de medicina. Principalmente devido ao seu currículo prático obrigatório, mas também para os que estavam para se formar. Simplesmente porque se eles não completassem um determinado número de horas de treinamento prático, eles não seriam capazes de se formar.

Acompanhe o desempenho de seus alunos

Mais uma vez, um dos principais desafios foi convencer os docentes sobre o funcionamento do simulador e como eles poderiam se beneficiar ao usá-lo em seus treinamentos. No entanto, assim que foram apresentados ao Body Interact, eles perceberam imediatamente o valor e os benefícios de seu Sistema de Gestão de Aprendizagem – BI Studio.

O BI Studio permite que os professores verifiquem as métricas de desempenho individual ou em grupo. Ajuda o educador a identificar quais necessidades dos alunos precisam ser melhoradas e também como reforçar positivamente suas decisões corretas.

Com essa ferramenta complementar, eles podem se aproximar de seus alunos, fornecendo feedback personalizado sobre seu desempenho. Ao mesmo tempo, eles poderiam definir os objetivos de aprendizagem da próxima aula.

Body Interact e NERA juntos para melhor atender às necessidades de saúde

Aliança Regional do Nordeste (NERA) MedPrep HCOP Academy é uma iniciativa federal nos EUA que reúne três escolas de medicina e uma organização comunitária para conduzir um programa em grupo de três níveis para expandir a preparação para carreiras de saúde para alunos sub-representados, bem como em desvantagem educacional e econômica com o objetivo de aumentar a competitividade da faculdade de medicina.

A Dra. Sherria McDowell foi a nossa quarta palestrante do dia e trouxe à mesa a ideia de usar o Body Interact como uma ferramenta educacional que contribui para aumentar a diversidade da força de trabalho médica, a fim de melhor atender às necessidades de saúde do país (EUA).

Prepare-se com antecedência, discuta hoje e analise amanhã

Dois dias antes de cada sessão, os alunos teriam acesso ao cenário clínico e seriam apresentados aos objetivos de aprendizagem da aula. Com isso, eles poderiam formular suas dúvidas e explorar as estratégias diagnósticas e de tratamento com antecedência, de forma que estariam preparados para discutir o cenário clínico com seus colegas e tutor.

Quando um aluno não pode comparecer ao treinamento ou deseja revisar a discussão, ele consegue encontrar a gravação da sessão no Laboratório de Recursos da faculdade. Um espaço digital, criado pela organização, que reúne todos os tipos de recursos que ajudam o aluno a aprimorar suas habilidades, aumentar seus conhecimentos e melhorar seu desempenho.

Ser capaz de treinar em um ambiente de aprendizagem seguro

Após a experiência piloto, os alunos puderam fornecer seus comentários sobre o simulador. Eles forneceram um ótimo feedback sobre:

  • o conteúdo do cenário,
  • a chance de estudar a qualquer hora e em qualquer lugar,
  • a pontuação de desempenho,
  • o design e o layout do cenário.

A chance de praticar com cenários reais em um ambiente de aprendizagem seguro permitiu que eles desenvolvessem suas habilidades de raciocínio clínico e tomada de decisão. Além disso, puderam aumentar a retenção de conhecimento e a confiança no desempenho, identificar as lacunas que precisavam ser aprimoradas e também aprender a trabalhar em equipe.

Como apoiar e garantir o processo educativo nesta nova realidade?

Nosso quinto palestrante convidado foi o professor Paata Tsagareishvili, da David Tvildiani Medical University, AIETI Medical School, na Geórgia.

Diante dessa ruptura do COVID-19, devido ao pouco tempo disponível para se adequar a essa nova forma de ensino, sua universidade decidiu primeiro dar uma olhada no que já possuíam:

  • Experiência na implementação de simulador virtual de paciente;
  • Aulas de simulação clínica com Body Interact;
  • Outros simuladores que podem ser combinados;
  • Plataformas de progresso, como o Sistema de Gestão de Aprendizagem do Body Interact (BI Studio); 
  • Plataformas de comunicação interna que permitiam aos educadores  se comunicarem com os alunos, atribuir-lhes trabalhos, compartilhar materiais e recursos.

Em 2018, quando fizeram uma experiência piloto com o Body Interact, um dos benefícios que mais os atraíram foi a sua contribuição para o desenvolvimento do raciocínio clínico e da capacidade de tomada de decisão. É semelhante à pressão da vida real, a sessão de feedback de acordo com as diretrizes bem estabelecidas e o relatório do cronograma também contribuíram para a satisfação da universidade e apoiou sua decisão de ir para uma implementação mais ampla do simulador virtual de paciente em 2019.

Pacientes virtuais durante e pós-pandemia

A jornada de cooperação entre o Body Interact e a David Tvildiani Medical University continuou até 2020. Mesmo sem saber o que estava por vir, o professor Paata mencionou que com esta solução digital a universidade conseguiu garantir rotações clínicas ao longo do ano.

Ao passar do ensino presencial para o digital, a universidade sentiu a necessidade de ativar o Sistema de Gestão de Aprendizagem Body Interact – BI Studio. Com essa ferramenta, os educadores puderam atribuir cenários aos seus 733 alunos (do 2º ao 5º ano dos alunos de medicina) e acompanhar seu desempenho individual e em grupo.

Além disso, como ferramenta digital, permitiu que os alunos, que estavam trancados em países como Índia e Nigéria, tivessem acesso a todo o conteúdo oferecido pelos educadores. Mesmo em locais com conectividade e fusos horários diferentes, eles puderam estender a programação da sessão para garantir que todos os alunos pudessem praticar no conforto de suas casas.

Assim, a professora Paata Tsagareishvili concluiu que o Body Interact pode ser implementado com sucesso em diferentes modalidades: presencial, ensino à distância e metodologia mista. Ele melhora a prontidão e a confiança dos alunos para as rotações clínicas.

Posts Relacionados

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *